Segurança de Obras

Avalie este item
(0 votos)

A Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos do Estado do Ceará – COGERH, gestora vinculada à Secretaria dos Recursos Hídricos, tem no organograma da sua Diretoria de Operações a Gerência de Segurança de Infraestrutura Hídrica – GESIN, que executa, acompanha, analisa e planeja as intervenções necessárias à manutenção das boas condições operacionais da infraestrutura hídrica existente.

A COGERH opera desde 1993 e se mantém com recursos próprios provenientes da cobrança da utilização da água bruta dos seus reservatórios. Atualmente é responsável pela operação, monitoramento qualitativo e quantitativo de 143 reservatórios, e pela manutenção de 70 barragens estaduais, as quais devem ser mantidas de forma satisfatória a fim de permitir a eficácia na sua missão de gerenciar os recursos hídricos do estado do Ceará.

A GESIN é dividida em dois núcleos de atuação: NUINF - Núcleo de Infraestrutura, e NUEM - Núcleo de Eletromecânica, e tem as suas atividades voltadas para programar e manter a segurança e operacionalidade das obras hídricas (açudes, adutoras, canais, túneis e poços), incluindo os dispositivos e equipamentos hidromecânicos necessários à gestão dos recursos hídricos.

seguranca

As ações de segurança consistem basicamente em inspeções (ver página INSPEÇÕES), leituras e análise da instrumentação (ver página INSTRUMENTAÇÃO), manutenção e operação dos equipamentos hidromecânicos (ver página EQUIPAMENTOS HIDROMECÂNICOS) e treinamentos. O fechamento do ciclo de atividades se realiza no planejamento das intervenções de segurança que são hierarquizadas com base na elaboração da matriz de risco e dos resultados das inspeções.

Nesta perspectiva foram idealizadas e formuladas as listas de inspeções formais de barragens de terra e de concreto. A Inspeção Formal é composta por uma lista de anomalias, no formato de um ckeck-list, que permite acompanhar a evolução das anomalias através da indicação da sua situação, sua magnitude e o seu nível de perigo. As primeiras inspeções formais foram iniciadas a partir do ano de 2000. No ano de 2004 foram estabelecidas duas inspeções anuais para as barragens estaduais e nas federais com AGIR (Agente de Guarda e Inspeção de Reservatório) da COGERH, sendo que já foram efetuadas 1.398 inspeções (até dezembro de 2012). Além das barragens monitoradas também são realizadas inspeções formais nas barragens situadas a montante para avaliação dos riscos potenciais aos reservatórios do Estado de Ceará ou da União.

As instruções para o preenchimento das inspeções formais se dá pelos gerentes e técnicos treinados pela GESIN, através de ciclos de Treinamentos em Segurança de Barragens, que são realizados a cada dois anos nas sedes das gerências regionais. O primeiro ciclo de treinamentos ocorreu em 2002, ele contempla dois dias de aulas teóricas e práticas com o preenchimento do check-list no próprio local da barragem.

As inspeções formais estão institucionalizadas na Companhia e são programadas para cada semestre nas barragens estaduais. Os resultados dessas inspeções são posteriormente armazenados num banco de dados para o controle e acompanhamento das magnitudes e níveis de perigo das anomalias registradas. Esse sistema é denominado de SI-POM, fruto do POM - Plano de Operação de Manutenção do Sistema de Água Bruta do Estado do Ceará, no qual foram realizados levantamentos de dados bibliográficos (projeto e cadastro fundiário) e inspeções de campo de 160 obras hídricas (barragens, canais, adutoras e estações de bombeamento). Também foram elaborados relatórios de diagnóstico de segurança, anteprojetos de recuperação, avaliação de risco e manuais de operação e manutenção genéricos e específicos de cada obra.

Em complemento às ações de inspeções estão se consolidando as atividades de monitoramento por instrumentação. Atualmente são dezesseis as barragens instrumentadas, sendo elas: Aracoiaba, Arneiroz II, Barra Velha, Canoas, Faé, Flor do Campo, Gangorra, Gavião, Jaburu I, Olho D’Água, Pesqueiro, Sítios Novos, Sousa, Umari, Missi e Riacho da Serra.

O AGIR (Agente de Guarda e Inspeção de Reservatório) possui no local do açude o Diário de Ocorrências, que em longo prazo, vai representar o histórico do açude. Qualquer pessoa que visitar o açude pode, e deve anotar no Diário as impressões e observações sobre as condições do reservatório, que, se procedente, serão consideradas para acompanhamento e correção.

A GESIN mantém um trabalho de atualização dos gerentes do interior sobre as responsabilidades relacionadas à segurança das obras hídricas e o significado de riscos, alertando-os para:

Sinais visuais de problemas;

Normas e Procedimentos para operar adequadamente os equipamentos eletromecânicos;

Aptidão para respostas emergenciais, incluindo alertas e conhecimento dos princípios de instrumentação das obras.

Cada açude possui um dossiê contendo desenhos de projeto e as principais características técnicas. Esses documentos ficam disponíveis com o AGIR no local da obra e nas sedes das gerências das bacias. Também são elaborados pela GESIN, dossiês constando as observações do Painel de Segurança desde a fase de apresentação inicial do projeto, passando pela entrega do projeto como construído “as-built” e pelas considerações sobre nível de qualidade das obras.

Ler 3351 vezes Última modificação em Sexta, 06 Março 2015 18:18